2006-12-17 07:20:18
tags: 

O Zen e a arte cavalheiresca da programa

Para ver os artigos anteriores desta série, clique aqui.

Olá todo mundo, escrever nesse calor que está aqui no Rio é quase uma insanidade, mas enquanto houverem leitores a série deve continuar! Hoje vamos começar a detalhar melhor nosso plano falando de uma das partes importantes que compõem o pattern MVC. Mais precisamente, o "V", ou View.

Decidi começar por aí (sei que parece estranho para quem já conhece o funcionamento do MVC) por uma razão bem simples: eu sou preguiçoso, e gosto sempre de começar pelo mais fácil. Na minha modestíssima opinião, o conceito de View é o mais simples dos três, e certamente o mais simples de implementar também.

Quem já trabalhou com algum template engine (como o Smarty, por exemplo), já conhece o conceito de View com outro nome: Template. Basicamente, uma View é um gabarito que permite a visualização de dados dinâmicos dentro de uma determinada formatação. Bom, na verdade é um pouco mais que isso, é também um conjunto de classes que suportam o uso destes templates, afinal se você simplesmente gravar um arquivo com html ele não vai se tornar dinâmico sozinho, não é mesmo?

Uma definição mais careta de View é a seguinte: "uma representação de um estado do modelo". Cuma? Bom, pensei numa metáfora razoavelmente idiota para explicar esse conceito, me perdoem se parecer meio ridículo, mas juro que estou fazendo o melhor que posso :-)

Primeiro, você vai precisar de um caderno, um lápis e um estilete. (?!) É isso mesmo. Vá lá no quarto e pegue um caderno, um lápis e um estilete. Se não tiver um estilete, nosso pseudo template não vai funcionar. Depois você vai entender por quê.

Arranque uma folha do caderno e escreva no topo "Template para criação de Posts". Esse será o nosso template 1. Logo abaixo, escreva "Título do Post:", e embaixo disso, "Texto do Post:". Tudo bem? Bom, você já tem um pseudo template html, mas ainda falta o fundamental, a conexão com o nosso pseudo banco de dados, também conhecido como caderno. O estilete, essa tão importante ferramenta, vai funcionar para fazer a conexão.

Pegue o estilete, e, ao lado do texto "Título do Post", faça um buraco (ou, em nosso pseudo html, um ítem de formulário Input Text) que permita mais ou menos 255 caracteres. Do lado de "Texto do Post:" abra um buraco ainda maior, simulando um TextArea. Eu falei que era uma metáfora meio idiota, não falei?

Muito bem, senhores, vocês têm em suas mãos um Template. Ou uma View, como queiram. Agora podemos usá-la tanto para escrever em nosso "banco de dados" quanto para visualizar seu conteúdo de forma bonita, formatada. Se quiser, você pode editar esse template pintando com hidrocor, sabe como é, dá pra fazer bastante coisa com Hidrocor Style Sheets. OK, deixa pra lá.

Para adicionar um "registro" no "banco de dados" basta "carregar" o seu template, colocando-o sobre uma página vazia do caderno, e escrevendo os dados dentro dos buracos no template. Para adicionar outro registro, vire a página e repita o procedimento. Nesse exemplo, o estado do modelo é a página que você está vendo. Mudar o estado do modelo, portanto, é como mudar de página nesse exemplo tosco. Vocês entenderam?

Claro que um modelo que não é feito de papel pode mudar de estado de outras formas, mudando quais informações estão disponíveis e a forma como elas estão sendo visualizadas. (Ainda preciso ver como fazer sort nesse banco de dados, mas ele possui a grande vantagem de ser portátil, de fácil utilização e ser facilmente expansível "conectando" outros "bancos de dados" quando o espaço acabar. Muito interessante, não? O chato é fazer backup.)

Bom, resumindo, uma View é uma espécie de gabarito que contém partes estáticas (escritas em html, no nosso caso) e outras dinâmicas (escritas em php simplificado, para garantir que não vamos colocar lógica dentro de nossos templates). Claro que os templates que vamos construir são mais poderosos e flexíveis que os feitos em PHTML ou Pseudo Html ou Papel html, sei lá.

Vou dar um exemplo: nosso blog, claro, vai disponibilizar um feed RSS para seus leitores. Usando templates, isso é muito simples: pegamos as mesmas informações que mostramos no blog usando um template bonitinho em html e as mostramos usando um template escrito em XML, no formato Atom, por exemplo. Pra isso funcionar, é só fazer um novo template trocando, por exemplo, a tag "h1" usada no html por uma tag "title", usada no formato Atom. Muito mais fácil do que ficar copiando queries, scripts inteiros, e coisas do gênero.

Em termos práticos, pra nós uma View vai ser um arquivo php que praticamente só contém html. As únicas coisas que estarão escritas em PHP serão os dados que vêm do banco de dados ou algumas funções bem simples para realizar loops, imprimir constantes na tela e pouca coisa mais. Vamos manter nosso DBE bem simples, se depois alguém precisar de mais funcionalidades vamos permitir que se use o Smarty ou qualquer outro template engine pra renderizar nossas Views.

Até a próxima.

10 Comentários:

[Tiago Madeira]  Muito bom... Esses artigos desta série e as suas metáforas estão excelentes! Mesmo no calor, continue escrevendo... =)  [LINK]  [REPLY]

[Thiago Bernabé]  Tamo junto em busca dos gnomos :) Continue escrevendo !!!  [REPLY]

[Exper Aguiar]  muito bom texto, continue escrevendo. pelas minhas contas, só tem amis 2 posts na série, né? pq os gnomos tem contrato até o ultimo, e como eles são o C..... zuera, claro que vai ter muito mais ^^ abraço.  [LINK]  [REPLY]

[Caio Mancini]  Muito boa esta série, acompanho ela sempre. Estou aprendendo muito!!! Continue cara!!!  [REPLY]

[Alisson Patrício]  Nunca comentei no seu blog, primeira fez, mas juro que acompanho sempre pelo feed rsrs! parabens pela seria esta otima! seus textos são muito divertidos e muito facil de entender! continue assim...  [REPLY]

[Leandro]  É isso aí Danilo, continue assim, estou aguardando a próxima. Por falar em próxima, você tem alguma previsão para ela?   [REPLY]

[Júnio]  Quero mais!-Obrigado, muito obrigado mesmo.  [REPLY]

[Cynthia]  Oi! ainda não sei seu nome... comecei a ler a série sobre OO e não estou conseguindo parar...rs. Comecei a programar estudando Java. Bom, não fiz nada profissionalmente, pois como a pressão para fazer grana foi maior....nem preciso falar mais nada né... trabalho fazendo sites...Queria dizer que estou adorando a série, que vc escreve super bem e claramente, e que gostei de vc de cara! Parabéns! Aquele abraço! obs: parei pra comentar no meio da série, depois comento mais, ok!  [REPLY]

[danilo]  Valeu Cynthia! Grande abraço!  [REPLY]

[Junio]  Bem didático, obrigado.Paz e saúde para ti!!  [REPLY]