2008-08-23 03:55:02
tags: 

O Zen e a arte cavalheiresca da programação orientada a objeto (Parte 27)

Para ver os artigos anteriores desta série, clique aqui.

Olá meus caros amigos. Depois das decepções do salto com vara, do pentatlo moderno, do hóquei na grama, do salto triplo, do badminton, do baseball, do basquete, do bmx, do badminton, do taekwondo, do karatê, do salto em altura, do revezamento 4x100m, dos 800m, do tiro, do nado sincronizado, da ginástica rítmica e artística, da luta greco-romana, luta livre, esgrima, do arco e flecha, do boxe, da canoagem, do cliclismo, do softball, do levantamento de peso, do tênis, do triatlon, do tênis de mesa, do remo, do handball, do trampolim e finalmente, do futebol, voltamos aqui pra falar do que o brasileiro realmente entende: OOP, o famoso esporte da programação orientada a objetos.

Nas últimas semanas estivemos vendo alguns recursos que já vem na caixa do PHP quando você compra: as bibliotecas SPL são um bom exemplo. Mas o PHP é igual às olimpíadas: quanto mais popular é a necessidade, mais chance de entrar na instalação padrão do PHP. E uma das funcionalidades mais importantes em qualquer sistema é a conectividade com sistemas de banco de dados.

Pra isso, os nossos amigos discípulos do Boerger desenvolveram uma camada de abstração chamada PDO. Pra gente entender o que é PDO, portanto, precisamos entender primeiro o que é uma camada de abstração, correto?

Muito bem, caros leitores, nesse momento preciso contar uma verdade dura para vocês: o mundo lá fora é feio e sujo. Sim, acreditem! Não existem padrões, cada programador reinventa a roda a cada dia para provar que é o melhor! Bancos de dados, por exemplo: eu que sou um desconhecedor completo do assunto conheço pelo menos 10 sistemas gerenciadores de banco de dados, todos eles muito bons e com características próprias bastante singulares. A única coisa que tenho certeza que todos têm em comum é a capacidade de executar alguns comandos SQL de forma similar.

Uma camada de abstração para sistemas de banco de dados faz com que seu código use os mesmos métodos para acessar informações em qualquer um dos bancos de dados disponíveis. Assim, você poderia até mudar de sgbd sem ter que mudar seu código, e tudo funcionaria perfeitamente.

Claro que alguns bancos de dados não fazem as mesmas coisas que outros; alguns são mais poderosos, com mais possibilidades, outros mais simples. Portanto, uma boa camada de abstração tenta disponibilizar somente as funcionalidades que podem ser utilizadas de forma universal, ou, em alguns casos, emular as funcionalidades mais avançadas que não estão disponíveis nos bds mais simples.

Enfim, vocês sacaram?

A sigla PDO significa PHP Data Objects. Com os tais PDOs a gente tem uma forma padronizada e orientada a objetos para acessar os bancos de dados mais legais do planeta. E ganha de brinde um monte de funcionalidades interessantes. Veja um exemplo de conexão:

<?php
try {
    $meuObjetoPDO = new PDO('mysql:host=localhost;dbname=teste', $usuario, $senha);
    foreach($meuObjetoPDO->query('SELECT * from produtos') as $produto) {
        print_r($produto);
    }
    $meuObjetoPDO = null;
} catch (PDOException $e) {
    print "Deu zebra: " . $e->getMessage() . "
";
    die();
}
?>
    

 

O código acima abre uma conexão MySql e faz um select na tabela Produtos, que retorna um objeto PDO com os dados e um monte de outras propriedades. Qual a grande vantagem? Lembra como a gente fazia para acessar um bd em php? Tinhamos que usar os comandos Mysql:

<?php
$minhaconexao = mysql_connect('localhost', 'usuario', 'senha')
    or die('Erro de conexão: ' . mysql_error());
echo 'Beleza! Conectado!';
mysql_select_db('teste') or die('Não consegui selecionar o bd...');

// Performing SQL query
$query = 'SELECT * FROM produtos';
$resultado = mysql_query($query) or die('Erro na Query: ' . mysql_error());

// Printing results in HTML
while ($produto = mysql_fetch_array($resultado, MYSQL_ASSOC)) {
print_r($produto);
}

// Free resultset
mysql_free_result($resultado);

// Closing connection
mysql_close($minhaconexao );
?>
    

Até aí, já dá pra ver que usar PDO é mais fácil, mas ainda está faltando o nocaute: seu chefe chega pra você e diz, "ô fulano, vai mudar o bd, troca aí pra Oracle!".

Usando PDO, vc simplesmente troca a primeira linha e tá tudo pronto. No segundo caso... prepare-se para mudar um milhão de linhas.

Abraço grande e até semana que vem!