2008-08-02 02:52:05
tags: 

O Zen e a arte cavalheiresca da programação orientada a objeto (Parte 24)

Para ver os artigos anteriores desta série, clique aqui.

Caríssimos amigos, aqui estamos de volta. Na nossa última conversa, começamos a falar destes fantásticos seres mitológicos, os Iterators. Espero que nossos exemplos tenham ajudado a entender o conceito básico por trás deste Design Pattern tão importante.

Mas agora chegou a hora de aproveitar. Nosso caro Sr. Marcus Boerger, quando criou as extensões SPL, nos deu muita coisa de brinde. Não só temos agora interfaces padronizadas para um grande número de implementações de patterns, como ganhamos também uma série de classes prontas para usar. E quando falamos de iterators, temos muita coisa boa, meus amigos! Veja o exemplo abaixo:

 
	try{
$file = new SplFileObject( "/digitalminds/texto.txt" );
$numlines = 0;
foreach ($file as $line){
$numlines ++;
}
$linenum = rand(1,$numlines);
$file->seek($linenum);
//essa linha vai ser enviada por email
mail('danilo@digitalminds.com.br', 'Assunto aqui!', $file->current());
} catch (Exception $e) {
echo $e->getMessage();
}
?>

 

Veja a beleza do que está acontecendo: ao instanciar o objeto SplFileObject, tenho prontinho um iterator que posso jogar diretamente num foreach para contar as linhas, imprimí-las, ou, usando a função $file->seek() posso pegar uma linha específica do arquivo e, no caso particular acima, enviá-las por email pra mim mesmo.

Vocês repararam que eu nem sequer pedi pra abrir o arquivo? Tá tudo pronto. E tem muito mais: esta classe tem quase 100 outros métodos que servem pra escrever no arquivo, ver as propriedades, pegar o diretório no qual ele está... experimente fazer nesse exemplo aí de cima um

print_r(get_class_methods($file) );

pra ver todos os métodos disponíveis. Ou, clique aqui e desça o scroll até a lista de funções.

E não é só isso, meus caros: vocês conseguem imaginar o que as classes DirectoryIterator, RecursiveDirectoryIterator, SimpleXMLIterator e SplFileInfo podem fazer? E que todas elas, ao serem instanciadas, te dão um objeto que funciona direitinho em um foreach ou um while? Entenderam o lance?

Muito bem. Divirtam-se com seus novos amigos. Na semana que vem, vamos aprender como transformar qualquer objeto em um array. Abraços a todos.