2007-12-04 02:20:34
tags: 

O Zen e a arte cavalheiresca da programação orientada a objeto (Parte 21)

Para ver os artigos anteriores desta série, clique aqui.

Olá amigos. Em nosso último encontro finalizamos nossa primeira análise das classes principais do MVC: Model, View e Controller. Sei que muitos de vocês estão ansiosos para começar a codificar mas ainda temos bastante mufa pra queimar antes de começar a digitar código php!

Bom, pra começar, um pouco da história do cinema: quem não se lembra de Sean Connery como o policial irlandês em Os Intocáveis ? E de Kevin Spacey, como o bobalhão "Verbal" em Os Suspeitos ? E de Gene Hackman como o xerife mau, muito mal de Os Imperdoáveis ? Muito bem, o que esses três papéis interpretados por estes grandes atores têm em comum? As três interpretações foram premiadas com Oscars de melhor ator coadjuvante. E por quê todo este papo cinematográfico? É que hoje vamos falar de uma classe coadjuvante que é fundamental em nosso quase-framework: nosso amigo Dispatcher.

Muito bem, como já falamos algumas vezes, nosso framework é bastante esperto: ele vai permitir que acessemos métodos de nossos controllers simplesmente interpretando uma URL. Por exemplo, para acessar o método view() do controller BlogPost para ver o post com o id 19 nossa url seria

http://nossoblog.com.br/blogpost/view/19

Ok, mas quem transforma uma coisa na outra? Quem chama o que? Como isso funciona na prática?

Senhores, eu vos apresento a classe Dispatcher, encarregada de interpretar as urls de nossa aplicação e executar os métodos apropriados nos controllers corretos. Ela também vai checar se o controller e o método requisitados realmente existem, e vai apresentar mensagens de erro em caso negativo. Por fim, a classe vai separar corretamente os parametros do request, enviando um array já certinho para o método que foi chamado.


Uma outra função muito interessante de nossa classe Dispatcher vai ser interpretar extensões; sim, amigos, vamos fazer com que a extensão definida na url defina o layout e o template a ser utilizado, seguindo uma estrutura de arquivos pré-determinada. Exemplo: se ao invés da url acima tivessemos alguma coisa como

http://nossoblog.com.br/blogpost/view/19.xml

Nosso framework, ao invés de utilizar o layout em /layouts/default/blogpost/view.php e o template /templates/default/blogpost/view.php utilizaria o layout /layouts/xml/blogpost/view.php e o template /templates/xml/blogpost/view.php. Deu pra sacar o poder? Assim vc pode criar outputs diferentes pra toda a sua aplicação sem nenhum estresse. Bonito demais. Pra colocar o sistema disponível em wap, bastaria fazer um layout e um template, no caso /templates/wml/view.php e /layouts/wml/view.php e utilizar os códigos wml ao invés de html dentro deles. Eu adoro isso.

Você acaba de perceber a beleza de uma solução MVC. A lógica fica totalmente separada da apresentação, o que faz com que seja fácil fazer apresentações totalmente diferentes com o mesmo conteúdo. Sweet!

Vamos então à descrição da classe?

Class Dispatcher


Propriedades

$url

String. Propriedade que irá conter a url requisitada.


$controller

Objeto do tipo Controller. Esta propriedade irá conter uma nova instância do controller requisitado. No nosso exemplo, BlogPost.

$method

String. Método a ser executado no controller requisitado. O método será view(), no nosso exemplo.


$parameters

Array com os parâmetros enviados na requisição via get ou post. No exemplo acima, ele teria uma entrada $parameters["default"]=>"19" já que não nomeamos este parâmetro no request. Poderíamos, se nós fossemos chatos, ter montado a url assim:

http://nossoblog.com.br/blogpost/view/id/19


e aí nosso array seria montado na forma $parameters["id"]=>"19"

O framework vai ser esperto o suficiente pra perceber quando temos só o valor ou o par nome/valor e vai resolver tudo isso pra nós.

Métodos


parseURL()

O método parseURL() interpreta uma URL segundo os padrões combinados e popula as propriedades do nosso Dispatcher. Na prática, ele vai separar os pedacinhos da url, dividindo a string em partes. Em primeiro lugar, ele remove a string relativa ao protocolo (http:// ou https://). Depois, o domínio. Ficamos então com a estrutura

controller/método/parametros.extensao

Aí fica facil separar tudo, não?


parseParams()
O método parseParams() faz o mesmo que a função acima, só que para os parâmetros enviados por get e post. Tudo o que estiver entre um ? e o ponto da extensão será considerado parâmetro get. Também será considerado parâmetro get tudo o que vier depois da action requisitada, no caso de nossos exemplos acima "19" e "id"=>"19". Tudo o que vier no $_POST vai ser incluído também em nosso array $parameters.

Repare que pra simplificar as coisas não vamos considerar a diferença entre get e post em nosso array $parameters; será igual fazer um request por get e post. Juntaremos tudo no array, sem distinção.